terça-feira, 1 de junho de 2010

Propre Langue


Me ensina de cima...

Cruzar suas vontades com GRITO

Se for preciso, imito.

Sussurra pra “mundar” de certeza

E se cala pra sublinhar seu nome,

Gravidade que pesa das mãos à cabeça

Um perigo que traça do chão

E qualquer buraco que pula

Tropeça na falta do vão


Irmã de irmão, imã da sina do não

E nua, vestida de amor

Esquece a conquista mimada

Para parafrasear seu prazo de vítima à vista.


Ela sabe “lécher votre propre langue

Dela se for, a favor do acaso... Pavores despedaçados...

Um caso raro, turbilhonar o valor do olho mágico.

abra, que dá cabra...

Ônus ao mar, to Pompéia antes e pós vesúvio..


Ela disse:

putain

c'est grave ça!!!

3 comentários:

Tati disse...

'E nua, vestida de amor

Esquece a conquista mimada'


Gostei do escrito - Esse trecho bem marcante.

Um Beijo

Tati disse...

Não me canso de ler

'Gravidade que pesa das mãos à cabeça

Um perigo que traça do chão

E qualquer buraco que pula

Tropeça na falta do vão'

Bom demais.

Keiny Luize disse...

"Dela se for, a favor do acaso... Pavores despedaçados..."

=*